O Oenólogo

Na cerimónia de entrega do Prémio Nobel de Enologia a Hellis Montaigne, foi um tal de André Huppert quem compareceu diante dos microfones e da incredulidade de milhões. O seu discurso começou e acabou assim: “Majestades, senhoras e senhores, mundo do vinho. Antes de mais, quero confessar que é um privilégio estar aqui na vez do meu irmão Hellis, um homem justo, metódico e muito inteligente que doou a sua vida a causas tão nobres como o vinho, contra a adstringência da vida que teve. Tudo o contrário de mim. Somos gémeos, mas uma coisa que sempre odiei nele foi a extrema sensatez, coisa que, no limite, afecta as melhores qualidades de um vinho e de uma vida. E fui eu, por exemplo, quem lhe deu a ideia das Vinhas Velhas, no ano da graça de 1935. Fui eu quem lhe ofereceu o primeiro manual de enologia crítica, o primeiro compêndio de coragem para a vida, o primeiro impulso para que se tornasse assim, como hoje, infinito. Por isso, sem mim, o que seria dele? Nada, meus amigos. Um anjo, por si só, é incapaz da realidade de um vinho perfeito ou de assinar a sua própria obra. Por isso, sou eu, André Huppert, vagabundo literal, incendiário das horas mortas e aborrecidas, e não o meu irmão Hellis, quem recebe este prémio. A enologia é também uma ciência demoníaca. E eu trago o fogo para vos agradecer.”



Prémios

2015

Vinhas Velhas
International Wine and Spirits Competition - Medalha PRATA
Challenge International du Vin - Recomendação
Decanter - Recomendação

 

Encruzado
Concurso Vinhos de Portugal - Medalha PRATA

2014

Vinhas Velhas
Concours Mondial Bruxelles - Medalha OURO
Challenge International du Vin - Medalha OURO
International Wine Challenge - Medalha PRATA
Vinalies Internationales - Medalha PRATA
Concurso Internacional de Vinhos do Brasil - Medalha PRATA
Decanter World Wine Awards - Medalha BRONZE

 

Encruzado
International Wine Challenge - Medalha OURO
Decanter World Wine Awards - Medalha PRATA
Prémios Arribe - Medalha PRATA

2013

Vinhas Velhas
Concours Mondial Bruxelles - Medalha OURO
Selezione del Sindaco - Medalha OURO
International Wine Challenge - Medalha BRONZE
Decanter World Wine Awards - Medalha BRONZE
Wine Enthusiast Top 100 - 42º lugar (94 pontos)
50 Grandes Vinhos de Portugal no Brasil (Dirceu Vianna Junior)

 

Encruzado
Os Melhores Vinhos Engarrafados do Dão - Medalha PRATA

2012

Vinhas Velhas
50 Melhores Vinhos Portugueses UK
(Julia Harding)
Concours Mondial Bruxelles - Medalha PRATA
International Wine Challenge - Medalha PRATA
Decanter World Wine Awards - Medalha PRATA
Revista de Vinhos - Boa Compra

O Oenólogo

VINHAS VELHAS 2011


País Portugal
Região Região do Dão
Subregião Serra da Estrela
Clima Continental Seco
Solo Pobre
Tipo Granitíco
Castas Um conjunto alargado de uvas nativas (Baga, Touriga Nacional, Alvarelhão, Tinta Pinheira, Jaen, Alfrocheiro, Tinta Carvalha, etc.)
Classificação VQPRD DOC Dão
Vinificação Em cubas de aço com pré e pós maceração fermentativa
Envelhecimento 18 meses em barris de carvalho
Consumo Imediato (com grande potencial de envelhecimento)
Gastronomia Pratos de carne estruturados e queijos
Garrafa 0 ,75 L
Caixa 6 garrafas
Enólogo Paulo Nunes

A partir de uma única vinha com 80 anos nasce este vinho, pelo que é através dele que pretendemos assumir o terroir único daquela parcela. A vinha velha é um conjunto de videiras de cerca de 24 diferentes castas (incluindo algumas castas brancas, como era absolutamente normal à época) que, com o decorrer de quase um século, se adaptaram naturalmente àquela parcela, em perfeita harmonia.

A vindima é manual e feita de uma única vez, sendo a fermentação de todo o blend de uvas feita em cuba tradicional de cimento.

Fruto do equilíbrio natural dado pela vinha, a fermentação decorre de forma espontânea, sem qualquer necessidade de correcção do mosto. Assumimos assim o nosso terroir - com um vinho minimalista na nossa adega.

O Oenólogo

Encruzado 2013


País Portugal
Região Região do Dão
Subregião Serra da Estrela
Clima Continental Seco
Solo Pobre
Tipo Granitíco
Castas Um conjunto alargado de uvas nativas (Baga, Touriga Nacional, Alvarelhão, Tinta Pinheira, Jaen, Alfrocheiro, Tinta Carvalha, etc.)
Classificação VQPRD DOC Dão
Vinificação Maceração pré-fermentativa, fermentação em cascos de madeira usados e battonage
Consumo Imediato (com grande potencial de envelhecimento)
Gastronomia Versátil, desde saladas a pratos mais estruturados
Garrafa 0 ,75 L
Caixa 6 garrafas
Enólogo Paulo Nunes

Casta raínha do Dão, o Encruzado revela de uma forma ímpar a elegância lendária dos vinhos da região.

A vindima é manual e feita para caixas de 12kg, sendo que a vinificação decorre com uma longa maceração pré-fermentativa, seguida de leve prensagem. De seguida o mosto é conduzido para um processo de decantação natural, e a fermentação decorre de uma forma lenta em barricas usadas de 600 litros, em carvalho francês. No processo de estágio do vinho é feita a battonage em cuba tradicional de cimento e uma pequena percentagem em barricas. Acabado este processo, o vinho continua em estágio sur lies, aumentando a sua natural complexidade.